VC REPÓRTER - CONTRIBUA CONOSCO E ENVIE FOTOS E VÍDEOS

VC REPÓRTER - CONTRIBUA CONOSCO E ENVIE FOTOS E VÍDEOS

sábado, 3 de outubro de 2015

ARMA DE PM MORTO ERA VENDIDA PELA INTERNET

A polícia pode ter encontrado um caminho mais curto que leve à elucidação do assassinato do Soldado Cícero Soares da Silva, de 34 anos, o qual baleado durante assalto no dia 4 de agosto em um mercantil de Barbalha e morreu dez dias após no hospital. A pistola modelo 940 Taurus calibre .40 de numeração SCW43994 e que pertencia ao PM foi tomada por um dos assaltantes e estava sendo comercializada na Internet por meio das redes sociais. A imagem publicada apresenta apenas a arma e a mão do vendedor ensejando levantamentos periciais e exames no IML (Instituto Médico Legal) de Juazeiro do Norte. Além disso, diligências feitas por militares do Serviço de Inteligência e policiais civis de Barbalha. Foi quando a polícia chegou até Edilberto de Lima Silva, de 29 anos, o “Beto”, residente na Rua Senhor do Bonfim, 160 no bairro Romeira, o qual acabou intimado a comparecer à Delegacia de Barbalha a fim de prestar esclarecimentos.

CID GOMES DIZ QUE SE SENTE "ALIVIADO" POR AGORA ESTAR LONGE DO CAOS DA SEGURANÇA PÚBLICA DO CEARÁ .

“Quando o assunto é Segurança Pública, sinto um alívio em não ser mais governador. Fiz tudo o que estava  ao meu alcance, mas o `Poder Público não tem capacidade para resolver sozinho este problema. É preciso reduzir as desigualdades”.
A declaração partiu, ontem, do ex-governador do estado, Cid Gomes, ao  ser abordado pela Imprensa sobre a revelação de que Fortaleza foi apontada como a capital brasileira de maiores taxas de homicídios, em 2014. Cid fez o desabafo quando participava, na quinta-feira, da inauguração da nova sede da Polícia Federal, nesta Capital.
Sem cerimônia, o ex-governador fez a declaração ao lado de seu sucesso, Camilo Santana (PT), que tenta, através de outras estratégias, reduzir a avalanche de assassinatos que domina o Ceará inteiro e apresenta números continuamente maiores, apesar do esforço do governo em dizer o contrário, com estatísticas que não refletem a realidade  das ruas nem são acreditadas pela população.