quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

MAIS NOTÍCIAS SOBRE A ONDA DE ASSALTO A BANCO NO CEARÁ.



Em três horas e meia, ladrões agiram em Jaguaribara, Pires Ferreira e Itarema. Na última, foram 4 mortos.
O Interior cearense viveu uma madrugada de quarta-feira de terror por conta da ação simultâneas de, pelo menos, três quadrilhas ligadas a assaltos a bancos. Em três cidades de diferentes regiões do Estado - Itarema, Pires Ferreira e Jaguaribara - os grupos criminosos atacaram com armas de grosso calibre e explosivos. Em uma delas, houve confronto com forças policiais e o resultado foram quatro mortes.
Parte do bando tratou de sitiar os policiais militares do Destacamento local, impedindo que eles saíssem do prédio, e outra se dirigiu à agência do Bradesco, onde foram colocados explosivos no único caixa eletrônico.


Depois da detonação dos artefatos e da destruição do equipamento, os ladrões roubaram todo o dinheiro que havia na agência e fugiram em dois veículos, sendo um Gol e um Vectra, sem deixar pistas para a Polícia.

Policiais do Comando Tático Rural (Cotar) desarmam os explosivos que foram colocados pelos ladrões nos caixas eletrônicos da agência do Banco do Brasil de Itarema. Foram momentos de tensão durante a operação fotos: divulgação/11ºBPM/ Três revólveres calibre 38, uma pistola de calibre 9 milímetros, dois rifles, além de explosivos foram apreendidos com os assaltantes mortos durante o confronto
A sequência de ataques teve início ainda na noite de terça-feira, por volta de 22h30, quando seis bandidos invadiram a cidade de Pires Ferreira (312Km de Fortaleza) e se dividiram em dois grupos.

Segundo

Por volta de 1 hora, o segundo ataque foi registrado, desta vez na cidade de Jaguaribara, na região do Vale do Jaguaribe (285Km da Capital).

Eram, pelo menos, cinco homens que explodiram, simultaneamente, as agências do BB e do Bradesco, deixando um intenso rastro de destruição na cidade. Eles trocaram tiros com a Polícia Militar.

Em seguida, a quadrilha fugiu utilizando um carro modelo Gol, prata, de placas ORQ-3672, que havia sido roubado em Fortaleza no dia 2 de agosto último. Na fuga, os assaltantes seguiram pela BR-116 e ´furaram´ um cerco da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na localidade de Poço do Barro, na zona rural do Município de Morada Nova. Segundo as autoridades, eles teria escapado em outro carro, um Fiesta.

Todo o dinheiro que havia nas duas agências foi levado pelos assaltantes, conforme a PM.

Terceiro

Na sequência de ataques, por volta de 2 horas uma quadrilha invadiu a cidade de Itarema, no litoral Oeste do Estado (237Km de Fortaleza), mas desta vez, a Polícia Militar agiu com rapidez e precisão. Policiais do Comando Tático Rural (Cotar), do Batalhão de Polícia de Choque (BPChoque); do Destacamento de Itarema; e da 3ª Companhia do 11º BPM (Acaraú), cercaram os ladrões, se estabelecendo um intenso tiroteio na porta do BB.

Segundo o comandante do 11º BPM, tenente-coronel PM Izaías Ferreira, na troca de tiros, quatro dos oito assaltantes foram baleados. Três deles morreram quando eram socorridos pela própria PM e levados para o hospital da cidade de Acaraú.

Até a noite passada, a Polícia não tinha, ainda, a identificação oficial dos mortos.

Mas, além dos três assaltantes, um cidadão morador de Itarema acabou também morrendo durante o tiroteio. Era o jovem José Adolfo de Oliveira, 21, que estava na frente da agência. Um quarto assaltante, identificado somente por Adonias, foi trazido, ferido, para Fortaleza.

Segundo o major PM Argeu Cavalcante, comandante da 3ªCia/11ºBPM (Acaraú), em poder dos bandidos foram apreendidos três revólveres de calibre 38, dois rifles modelo Puma, calibre 38; uma pistola 9 milímetros, além dos artefatos explosivos que haviam sido colocados no caixa e foram desativados pela equipe do Cotar. O bando é oriundo de Caucaia e Fortaleza.

Quadrilhas usam sempre a mesma tática criminosa

Com os ataques ocorridos entre a noite de terça-feria e a madrugada de ontem, subiu para 85 o número de assaltos e furtos em agências e postos bancários no Estado do Ceará, conforme levantamentos feitos pela Editoria de Polícia do Diário do Nordeste.

Na manhã de ontem, um dos carros usados na fuga da quadrilha que atacou em Jaguaribara, foi incendiado e virado em plena BR-116 FOTO: ALTO SANTO É NOTÍCIA

A tática dos criminosos tem se repetido em cada uma das ações no Interior do Ceará. Quadrilhas são formadas mesclando bandidos de alta periculosidade com pessoas sem histórico criminal.

Os grupos, em geral, com mais de quatro pessoas, utilizam armas de grosso calibre, tais como escopetas, pistolas e até fuzis, em alguns casos, e a mesma estratégia. Parte da quadrilha se desloca para os destacamentos ou delegacias de Polícia da cidade e rendem os militares, atirando sem parar e danificando as viaturas e as instalações.

Ao mesmo tempo, outro segmento da quadrilha parte para as agências e postos bancários, coloca bisnagas explosivas nos caixas eletrônicos ou nos cofres, e provoca a detonação.

Dos 85 ataques a bancos neste ano no Estado, em 42 deles os criminosos utilizaram artefatos. Em alguns casos, a explosão acabou não acontecendo.

Mas, na maioria dos ataques com explosivos, houve sim detonação e o resultado foi a completa ou parcial destruição não apenas dos caixas, mas também de toda a agência ou posto, como no caso das cidades de Morada Nova, no Vale do Jaguaribe (161Km de Fortaleza); e Baturité (93Km da Capital). O mesmo aconteceu em Aracati e São João do Jaguaribe.

Incendiados

Outra tática constantemente usada pelos ladrões é a destruição - através de incêndio - dos veículos usados na fuga.

Ontem, esta mesma cena se repetiu na fuga dos criminosos que atacaram dois bancos (Bradesco e Banco do Brasil) no Município de Jaguaribara. Um dos carros ficou virado e incendiado em plena BR-116. Segundo investigações dos núcleos de Inteligência da Polícia e da própria Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), vários bandidos já foram identificados.

FERNANDO RIBEIRO/EDITOR DE POLÍCIA
FONTE: DN 

Um comentário:

Anônimo disse...

Por que será que os bandidos tem tanta facilidade de circular por uma vasta região com um veículo furtado/roubado cheio de armas sem ser "incomodado" por ninguém? Isto num estado onde tem postos de polícia espalhados por todo canto é no mínimo estranho. Não estaria faltando alguma coisa? Por que nestes postos não são intensificados as abordagens policiais com o intuito de inibir o transporte de armas e drogas?