sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

UM MÊS DEPOIS, AUTORIDADES AINDA NÃO TÊM PISTAS DE QUEM MATOU MAINHA.

Um mês após o assassinato do pistoleiro cearense Idelfonso Maia Cunha, o ´Mainha´, 55, em Maranguape, as investigações ainda não apresentam nada de novo nem resultaram na identificação dos responsáveis pela execução sumária daquele que foi tido como o mais conhecido matador de aluguel do Nordeste brasileiro.
De acordo com Gutierrez, a equipe da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) que trabalha no caso está, atualmente, "com várias linhas de investigações". Do apurado pelos inspetores, o delegado apenas confirmou a informação divulgada ainda no dia do crime, de que ´Mainha´ já estava sem portar armas há muito tempo, pois temia ser preso novamente.Outra informação dada pelo delegado é de que o veículo Citroën cor preta, achado incinerado dois dias depois do assassinato continua sendo investigado e ainda é suspeito de ter sido usado no crime. "O que aconteceu, é que conferimos a placa e constatamos que a dona do carro teria vendido ele para uma concessionária que, por sua vez, revendeu para terceiros, os quais usaram documentos falsos", contou.
A única suspeita concreta da Polícia partiu do próprio ´Mainha´ que, dias antes de morrer, registrou Boletins de Ocorrências (B.Os.) contra supostos inimigos oriundos da cidade de Jaguaribara. Segundo o delgado Márcio Gutierrez, ´Mainha´ suspeitava de um carro preto que estaria lhe seguindo.
A lista de crimes cometidos por ele iniciam-se ainda no ano de 1977 e continuaram ocorrendo initerruptamente até 1988, quando ele foi preso pela primeira vez. Mais de 40 assassinatos são atribuídos a ´Mainha´ ao longo de seus 55 anos de idade.
Fonte: DN

2 comentários:

Anônimo disse...

Mas é claro que não tem pistas, a resolução desse crime não é do interesse da Corporação, afinal é um bandido, talvez se fosse um policial...

Camocim Polícia24hs disse...

Anônimo, creio eu que esse pensamento é compartilhada por poucas pessoas. Continue participando e nos visitando. O debate é salutar e nos faz bem. Um abraço.