VC REPÓRTER - CONTRIBUA CONOSCO E ENVIE FOTOS E VÍDEOS

VC REPÓRTER - CONTRIBUA CONOSCO E ENVIE FOTOS E VÍDEOS

quinta-feira, 19 de maio de 2016

PORTEIRO É PRESO SUSPEITO DE ESTUPRAR A PRÓPRIA FILHA

Menina, hoje com 14 anos, foi vítima de abusos e ameaças durante 6 anos. Prisão aconteceu quando homem ia trabalhar na Praia do Canto.

Um porteiro de 37 anos foi preso, suspeito de estuprar a própria filha dentro de casa no Espírito Santo. A prisão aconteceu na manhã desta terça-feira (17) quando chegava para trabalhar em um prédio na Praia do Canto, em Vitória.
Desde os sete anos, uma menina é refém dos abusos sexuais do próprio pai, na Serra. Sem ter confiança na mãe para contar o que sofria quando ficava sozinha com o pai na casa da família e sofrendo ameaças, a menina foi vítima de violência sexual até completar 13 anos, quando finalmente a polícia tomou conhecimento do caso.
“A denúncia só chegou até a delegacia depois que ela passou a frequentar um projeto social, onde foi assistida por psicólogos e se sentiu segura em contar os crimes que sofria”, descreveu o delegado Lorenzo Pazolini, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).
Depois de dois anos no projeto social, onde participava de atividades esportivas e de um grupo de apoio social e psicológico, em um atendimento individual, a menina, hoje com 14 anos, contou o que passava dentro de casa.
“Os abusos aconteciam quando a mãe não estava em casa. Porém, certa vez, ela chegou a flagrar e acreditou na versão do marido de que não havia acontecido nada”, descreveu o delegado a frente do caso.
A denúncia chegou em dezembro de 2015. Desde então, os policiais da DPCA passaram a investigar o caso e, com o mandado de prisão nas mãos, o detiveram quando chegava para trabalhar.
“Ele saiu de casa após saber da denúncia na delegacia. Em depoimento, negou qualquer tipo de situação”, descreveu Pazolini.
O mandado de prisão temporária pelo crime de estupro foi cumprido e o delegado já solicitou a preventiva. Pazolini afirmou que será apurado se houve omissão da mãe, que afirma sequer ter desconfiado da situação durante os seis anos que a vítima foi estuprada pelo pai. Se condenado, o   porteiro pode vir a pagar uma pena de 8 a 15 anos de detenção.
Os nomes do porteiro preso e do bairro onde eles moram não são divulgados para preservar a identidade da vítima.

Fonte: G1

Um comentário:

Anônimo disse...

Era pra ser morto