VC REPÓRTER - CONTRIBUA CONOSCO E ENVIE FOTOS E VÍDEOS

VC REPÓRTER - CONTRIBUA CONOSCO E ENVIE FOTOS E VÍDEOS

segunda-feira, 30 de maio de 2016

EM ASSEMBLEIA, PMS E BOMBEIROS PREGAM DIÁLOGO E DESCARTAM CHANCE DE GREVE NO CEARÁ

Categoria reivindica aumento, 'mas sem pôr a faca no pescoço' do Governo. Boatos de eventual greve levaram MPCE a emitir nota de alerta.

Em assembleia realizada em Fortaleza, policiais militares e bombeiros descartaram a possibilidade de a categoria realizar uma nova greve, contrariando boatos divulgados em redes sociais. Os servidores afirmam que vão manter diálogo com a categoria para chegar a um acordo que agrade os profissionais sem comprometer o orçamento do estado.
"Houve boatos nas redes sociais, mas não passa disso, a categoria está empenhada em participar de reuniões e negociar com o Governo do Estado para uma solução comum à população e aos servidores", afirma o militar Reginaldo Sousa.
O deputado estadual Capitão Wagner, que atua em defesa de direitos de policiais e bombeiros militares, afirma que, devido à crise econômica no país, pretende fazer reivindicações sem "pôr a faca no pescoço" do Governo. "Existem mecanismo que causam menos impacto financeiro que podem atender às reivindicações sem coagir o Governo, sem pôr a faca no pescoço", afirma.

Boatos de greves

Perfis em redes sociais que se identificam como sendo de corporações militares do Ceará divulgaram nos dias anteriores a possibilidade de uma greve dos policiais. As informações levaram o Ministério Público do Estado do Ceará a emitir uma nota de alerta, citando riscos de uma eventual paralisação.
“Ao servidor militar são proibidas a sindicalização e a greve”, disse o promotor de Justiça José Francisco de Oliveira Filho. Para o representante do Ministério Público, um possível risco de greve de policiais militares e bombeiros militares desta Unidade Federativa, confrontará o comando do referido dispositivo.

Em 2012, os policiais militares fizeram uma paralisação geral das atividades, o que levou à elevação nos índices de criminalidade durante a greve. Em 2 de fevereiro de 2012, o comércio de toda a Fortaleza e de outras cidades do Ceará baixaram as portas, temendo assaltos e roubos.

Fonte: G1Ce

Um comentário:

Anônimo disse...

Na verdade eles já estavam era com medo da PM paralisar os trabalhos. rsrsrs...