sábado, 25 de janeiro de 2020

FA TRANSPORTE UNIVERSITÁRIO (CAMOCIM / PARNAÍBA IDA E VOLTA)


FA Transporte Universitário, sua mais nova opção em transporte universitário aqui em Camocim. Micro-ônibus de Camocim a Parnaíba (ida e volta), todos os dias, de segunda a sexta e o melhor, deixamos todos os alunos no conforto de suas casas. Pague somente quatro parcelas por semestre. Passamos sua mensalidade no cartão de crédito ou débito.

• Agilidade 
• Comodidade
• Segurança

Promoção!!! Indique um amigo e tenha 6% de desconto na primeira mensalidade. Quanto mais indicar mais vai ganhar!

Não perca tempo e garanta já sua poltrona, todas reclináveis e ar condicionado.

Contatos:

(88) 9 9222-0748 Dedé
(88) 9 9646-6655 (Whatsapp)

JOVEM COREAUENSE É ENCONTRADA MORTA EM FORTALEZA

A jovem Cristiane, natural de Coreaú, foi encontrada sem vida na manhã desta quinta-feira, 23, dentro de sua residência em Fortaleza. De acordo com informações, Cristiane sentiu fortes dores de cabeça, que possivelmente veio ocasionar sua morte. A jovem estava residindo na capital cearense. O corpo foi encaminhado para IML para os exames de necropsia para saber a causa morte. 

Fonte: Coreaú Portal de Notícias

AGENTE PENITENCIÁRIO É CONDENADO A PRISÃO POR RECEBER PROPINA PARA ENTREGAR CELULARES A PRESOS NO SISTEMA PENAL


O agente que facilitava a entrada de celulares no presídio foi preso em maio de 2018 

O Ministério Público do Estado do Ceará (MPCE), através do Núcleo de Investigação Criminal (NUINC), alcançou a condenação de três réus, Fabrício Santos Pereira, Wladiane Freitas da Silva e Tássia Lima de Oliveira, pelos crimes de corrupção ativa e passiva. 
Os três foram denunciados pelo MP por atuarem em esquema criminoso para facilitar a entrada de aparelhos celulares e acessórios em unidades penitenciárias. Segundo a denúncia, Fabrício Santos, utilizou-se da função pública de agente penitenciário para cometer os crimes, enquanto que Wladiane Freitas e Tássia Lima ofereciam pagamento pelo “serviço”. 

Condenação 

A decisão foi proferida pelo Juízo da 4ª Vara Criminal na última quarta-feira (22), com a decretação de três anos de reclusão e pagamento de multa para os três condenados, que foram convertidos em penas alternativas de restrição de direitos, com limitação de finais de semana e prestação de serviços em favor de entidade pública. Fabrício foi condenado, ainda, à perda da função pública de agente penitenciário. 
A “Operação Correria” deflagrada em maio de 2018, com o apoio da Delegacia de Assuntos Internos (DAI), cumpriu mandados de busca, apreensão e prisão preventiva dos réus e é decorrente da Operação Masmorras Abertas, que teve início no ano de 2017. 

Fernando Ribeiro