VC REPÓRTER - CONTRIBUA CONOSCO E ENVIE FOTOS E VÍDEOS

VC REPÓRTER - CONTRIBUA CONOSCO E ENVIE FOTOS E VÍDEOS

segunda-feira, 23 de maio de 2016

MORTOS EM REBELIÕES NOS PRESÍDIOS DO CEARÁ PODEM CHEGAR A 26, DIZ JUIZ

Juiz corregedor visitou prisões na tarde desta segunda-feira. Nesta segunda, presos continuam soltos dentro das unidades.

O juiz corregedor dos presídios do Ceará, Cesar Belmino, informou na tarde desta segunda-feira (23) que o número de mortos nas rebeliões do Ceará pode chegar a 26. “É uma estimativa”, afirmou o juiz durante visita às unidades do Centro de Privação Provisória de Liberdade (CPPL), em Itaitinga, cidade da Região Metropolitana de Fortaleza. No começo da tarde, a Secretaria de Justiça do Ceará divulgou que o número de mortos era de 14. (veja vídeo acima)
Segundo o juiz, a situação na CPPL 2, por exemplo, estava sob controle à tarde. Mas o excesso de presos ainda é um problema. “Os centros têm praticamente o dobro de presos da capacidade”. Os Centros de Privação Provisória de Liberdade de Itaitinga deveriam abrigar cerca de 3.700 presos. Três desses quatros CPPLs foram inaugurados há quatro anos. Em estimativa divulgada pelo Governo em dezembro de 2014, o Ceará tinha 21.320 presos na capital e no interior.
Desde sábado (21), detentos estão rebelados. No fim de semana, presos invadiram alas e mataram outros detentos, além de quebrar celas, armários, grades, cadeiras e queimar colchões após a suspensão das visitas, segundo órgãos de segurança. Agentes penitenciários do estado entraram em greve no sábado, voltaram no fim do dia após negociação com o governo do estado, mas os detentos já estavam fora de controle. Familiares bloquearam a BR-116 por diversas vezes no domingo (22).

Em nota, a Sejus informou que toma "todas as medidas necessárias para estabilizar a situação nos presídios". No domingo, o governador Camilo Santana solicitou o apoio da Força Nacional de Segurança para de garantir a estabilidade nos presídios, especialmente durante a recuperação das instalações, que foram destruídas por conta das rebeliões.
A Secretaria da Justiça ressaltou que o Departamento de Arquitetura e Engenharia avalia os danos nos presídios durante as rebeliões. De acordo com o órgão, nesta segunda serão iniciados os reparos em uma das unidades prisionais danificadas.
Mesmo com os conflitos, não houve interrupção no fornecimento de água nem comida, conforme informou a pasta. Assistentes sociais também foram enviados para as entradas dos complexos prisionais para oferecer apoio aos familiares dos presidiários, que seguem em busca de informações sobre os parentes.
O governador do Ceará, Camilo Santana, utilizou as redes sociais para anunciar que solicitou apoio da Força Nacional de Segurança. Na mensagem, o chefe do executivo estadual lamentou as ocorrências nas unidades prisionais e diz que busca estabilidade "o mais rápido possível".

Túnel

Na manhã desta segunda, um túnel foi encontrado na Unidade Prisional CPPL I, em Itaitinga, e o Batalhão de Choque confirmou a fuga de detentos durante a madrugada. Nesta manhã, é feito um levantamento para contar quantos detentos fugiram.
A Sejus, porém, não confirmou a fuga. A pasta comunicou que não foi registrado nenhum novo conflito entre os presos nesta segunda-feira.

Entenda a situação nos presídios


As rebeliões registradas nos presídios cearenses durante o fim de semana ocorreram durante e após a greve dos agentes penitenciários. A motivação dos conflitos foi a suspensão das visitas nas unidades prisionais. De acordo com a Polícia Militar, os detentos quebraram cadeiras, grades, armários e queimaram colchões em diversos presídios.
Devido às rebeliões, a Sejus suspendeu as visitas a presos nas unidades na Prisional Desembargador Adalberto de Oliveira Barros Leal, em Cauaia, e nas CPPLs II, III e IV, em Itaitinga.
A greve dos agentes penitenciários foi encerrada ainda no sábado. A categoria aceitou a proposta de reajuste na Gratificação por Atividades e Riscos (Gaer), que era de 60%, para 100%. O reajuste será pago de forma escalonada: 10% em fevereiro de 2017, 10% em janeiro de 2018 e 20% em novembro de 2018.
O titular da Sejus, Hélio Leitão, criticou a decisão de greve dos agentes, defendendo que o estado não se negou a negociar com os profissionais. "O processo de negociação com a categoria dos agentes estava em franco curso. Decretaram o estado de greve mesmo assim, formulamos outra proposta, que veio a a ser rejeitada pela categoria", declarou.

Fonte: G1Ce

Nenhum comentário: