quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

NO BRASIL, PRISÕES EM FLAGRANTE POR PORNOGRAFIA INFANTIL MAIS QUE DUPLICAM EM 2013

Em um ano, o número de prisões em flagrante por conta de pornografia infantil, crime enquadrado no Estatuto da Criança e Adolescente, cresceu 127% no Brasil. No total, foram 134 prisões em 2013, ante 59 em 2012. Os números constam de um balanço da Polícia Federal, ao qual a Folha teve acesso exclusivo.
O ano passado também concentrou 40% das 333 prisões em flagrante dos últimos 15 anos.
Esse tipo de crime tem basicamente origem no mundo digital e na internet, pois envolve a produção, distribuição, comercialização, divulgação e posse de material em que crianças aparecem fazendo sexo ou simulando o ato, como fotos e vídeos.
As prisões, portanto, não incluem casos de estupro de crianças ou de abuso sexual infantil.
Quando se fala em investigações em curso, o número mais do que dobrou entre 2013 e 2012, indo de 860 para 1.789. Em 2013, os indiciados foram 484 (o número de 2012 para esse tópico não está disponível).
Segundo a PF, o salto é resultado de uma nova abordagem adotada pela corporação, que em vez de grandes operações prioriza ações menores e mais frequentes.

Apesar do crescimento, números reportados nos Estados Unidos indicam que os casos de tais crimes na internet são grandes. Em 2011, por exemplo, o Facebook reportou ao NCMEC (centro nacional para crianças abandonadas e abusadas, na sigla em inglês) 81.017 casos de pornografia infantil. O Google registrou 55.960.

SÃO PAULO LIDERA

O Estado de São Paulo lidera o número de investigações de pornografia infantil. No ano passado foram 534, ou 30%. dos inquéritos. O Rio vem em seguida, com 210.
Com exceções de Amazonas e Pará, as últimas colocações do ranking são todas ocupadas por Estados da região Norte.

De acordo com Thiago Tavares Nunes de Oliveira, presidente da ONG Safernet, especializada em segurança na rede, o menor alcance da internet na região é uma das explicações para tais números.
Segundo o Cetic (Centro de Estudos Sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação), 44% da região Norte é coberta, o menor índice do Brasil.
Entre 1999 e 2008, o perfil dos indiciados era majoritariamente jovem. Pessoas entre 18 e 37 anos concentraram 63% dos indiciamentos.

"Isso não significa que existam menos criminosos mais velhos. O uso da internet é maior entre os mais novos. Além disso, o sexting [troca de mensagens com imagens e vídeos caráter sexual] resulta, em muitos casos, na divulgação de conteúdo. Isso faz a prática estar ligada aos mais jovens", diz Oliveira.

Os números do Cetic mostram que 83% dos brasileiros entre 16 e 24 anos já acessaram a internet. Entre aqueles com mais de 60 anos, o número cai para 10%.

Fonte: Folha.com

Nenhum comentário: