terça-feira, 27 de março de 2012

PUNIÇÃO: ENFERMEIRA QUE MATOU YORKSHIRE PODERÁ PAGAR R$ 20 MIL DE IDENIZAÇÃO. (VEJA VÍDEO)

O Ministério Público de Goiás entrou com uma ação civil pública, nesta segunda-feira (26), contra a enfermeira Camilla Correa Alves dos Santos, de 23 anos, acusada de agredir até a morte um cão da raça yorkshire, em Formosa, no Entorno do Distrito Federal. O promotor de Justiça Heráclito d’Abadia Camargo pede que ela pague indenização por dano moral à coletividade.
Na ação, o promotor requer um valor mínimo R$ 20 mil, mas a decisão da quantia cabe ao juiz. O dinheiro deverá ser revertido ao Fundo Municipal do Meio Ambiente de Formosa, onde aconteceu o fato.

Comoção nacional

O caso do cãozinho yorkshire ganhou repercussão nacional após o vídeo onde a enfermeira aparece agredindo o cachorro ser divulgado na internet. As imagens mostram chutes, puxões e golpes com um balde contra o animal. As agressões ocorreram na presença da filha da enfermeira, na época com um ano e seis meses.

Para o promotor, em sua argumentação, "a comoção social provocada pelo lamentável episódio impõe a necessária responsabilização". Segundo a ação, na página eletrônica www.peticaopublica.com.br, 401.836 pessoas subscreveram um abaixo-assinado por meio do qual pediram providências contra Camilla, o que , junto com protestos nas ruas, comprovaria o dano moral coletivo.

Essa é a segunda ação do MP contra a enfermeira. Em fevereiro deste ano, o órgão já havia oferecido denúncia pelo crime ambiental de maus-tratos ao animal, tendo como agravante o constrangimento de criança sob sua responsabilidade, delito previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Preocupada

Em entrevista ao G1 por telefone, o advogado de Camilla, Gilson Afonso Saad, disse ter avisado a cliente, nesta tarde, sobre a nova ação. Segundo o defensor, ela recebeu a notícia com preocupação. "Agora que a vida da família está entrando nos eixos", explicou Saad.

Desde o episódio, Camilla está desempregada. A família se mudou de Formosa para uma cidade da Região Metropolitana de Goiânia, mas a proposta de emprego oferecida ao marido, que é médico, não se concretizou e eles tiveram de trocar de cidade outra vez. O advogado, no entanto, preferiu não revelar o novo local.

Segundo Saad, a enfermeira ainda não foi citada pelo juiz para dar início ao processo criminal. Ele informou ter apresentado um requerimento para que o processo, em Formosa, corra em segredo de justiça. A medida tem como objetivo preservar os dados da criança, filha da cliente.

Fonte: G1 
CAMOCIM POLÍCIA 24hs


Nenhum comentário: